Os LEDs dominaram o mercado de iluminação convencional por várias razões, principalmente por sua vida útil prolongada, consumo de energia reduzido e menores requisitos de manutenção. 


Até 2030, estima-se que a iluminação LED possa economizar 190 terawatt-hora de eletricidade por ano, o que equivale a impressionantes R$ 15 bilhões. 

À medida que o preço de compra de lâmpadas e luminárias continua a cair, muitas pessoas procuram atualizar seus sistemas de iluminação com LEDs, dados os seus benefícios em comparação às tecnologias tradicionais. 

Para explicar os motivos pelos quais o LED é tão superior aos seus concorrentes, preparamos este artigo cheio de dicas e informações sobre este novo perfil de iluminação.

Vamos lá?

Os benefícios da iluminação de LED

Eficiência energética

As luzes LED usam cerca de 50% menos eletricidade do que as opções tradicionais de lâmpadas incandescentes, fluorescentes e halógenas, resultando em economia substancial de custos de energia, especialmente para espaços com luzes acesas por longos períodos. 

Os LEDs também apontam a luz em uma direção específica, diferentemente das lâmpadas convencionais, que emitem luz – e calor – em todas as direções (porque os LEDs são montados em uma superfície plana, eles emitem luz hemisférica e não esférica). Essa capacidade de iluminação direcional reduz o desperdício de luz e energia.

Vida prolongada

Ao contrário da iluminação incandescente, os LEDs não “apagam” ou falham, apenas diminuem com o tempo. 

Os LEDs de qualidade têm uma expectativa de vida útil de 30.000 a 50.000 horas ou mais, dependendo da qualidade da lâmpada ou do equipamento. 


Uma lâmpada incandescente típica dura apenas cerca de 1.000 horas. Já uma lâmpada fluorescente compacta comparável dura de 8.000 a 10.000 horas. 

Com uma vida operacional mais longa, os LEDs podem reduzir os custos na substituição de lâmpadas em ambientes comerciais ou residenciais, obtendo um sistema de iluminação de manutenção mais baixo.

 

Operação em temperatura baixa

Os LEDs adoram o frio, diferentemente das lâmpadas fluorescentes. Em baixas temperaturas, é necessária uma tensão mais alta para iniciar as lâmpadas fluorescentes e o fluxo luminoso (a potência ou intensidade percebida da luz) diminui. Por outro lado, o desempenho do LED aumenta à medida que as temperaturas operacionais caem. 

Isso torna os LEDs um ajuste natural para vitrines refrigeradas, freezers e espaços de armazenamento a frio, além de aplicações externas, como estacionamento, perímetro de construção e sinalização. 

Durabilidade

Sem filamentos ou invólucros de vidro, os LEDs são resistentes a rupturas e imunes a vibrações e a outros impactos. A iluminação tradicional geralmente está contida em um exterior de vidro ou quartzo, que pode ser suscetível a danos. 

Os LEDs, por outro lado, tendem a não usar vidro. Em vez disso, são montados em uma placa de circuito e conectados a fios soldados que podem ser vulneráveis ​​ao impacto direto, mas não mais do que telefones celulares e pequenos dispositivos eletrônicos semelhantes.

Nenhuma emissão de IR ou UV

Menos de 10% da energia usada pelas lâmpadas incandescentes é realmente convertida em luz visível; a maior parte da energia é convertida em infravermelho (IR) ou calor irradiado. 

Calor excessivo e radiação ultravioleta (UV) apresentam risco de queimadura para pessoas e materiais. Os LEDs praticamente não emitem IR ou UV. 


Os rápidos avanços nas tecnologias de iluminação LED, com mais melhorias no horizonte, resultaram em custos mais baixos e maior confiabilidade. E embora possa ser tentador supor que os LEDs são a escolha certa para todas as aplicações devido à sua eficiência energética, a seleção deve se basear em uma combinação de fatores, incluindo qualidade e distribuição da luz, capacidade de escurecimento e vida útil esperada.

Portanto, se puder optar, sempre escolha lâmpadas de LED para criar perfis de iluminação na sua residência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.